Baixa do Rio Paraná gera prejuízos para empresas que dependem do transporte por balsas

Polícia prende bandidos que assassinaram fazendeiro paranaense no MS
28 de janeiro de 2019
Não existe risco de rompimento na barragem de Itaipu
28 de janeiro de 2019
Exibir tudo

Baixa do Rio Paraná gera prejuízos para empresas que dependem do transporte por balsas

Por conta do baixo nível da água no Rio Paraná, a balsa que liga Guaíra ao Paraguai está parada desde o dia 21 de dezembro do ano passado. A falta de chuvas na cabeceira do rio e a operação a plena capacidade da hidrelétrica de Itaipu, para atender o aumento na demanda de energia elétrica, diminuiu o volume de água, impedindo que a embarcação navegue.

Os caminhões que transportam os grãos produzidos no Paraguai até o Porto de Paranaguá, no litoral paranaense, ficam impossibilitados de atravessar, acarretando prejuízos principalmente para as empresas transportadoras, que estão praticamente paradas desde então. Para se ter uma ideia, o pátio de estacionamento do Porto Internacional Sete Quedas, que tem capacidade de atender até 130 caminhões, no momento da nossa reportagem, abrigava apenas 2 caminhões, que aguardavam a elevação do rio para seguir viagem para o Paraguai.

De acordo com Fábio Schmitt, da empresa Costa Oeste Comissária de Despachos, este já é um problema recorrente e pede para que as autoridades responsáveis busquem alguma solução, para que as empresas que dependem do transporte feito pelas balsas, não fiquem no prejuízo, cada vez que o rio baixar. (áudio Fábio baixo)

Amauri Moura, diretor da Transportadora Amizade, acredita que deveria haver uma segunda opção de canal, esse mais profundo, para facilitar a travessia quando o nível do rio estiver baixo. (áudio Amauri abaixo)

Segundo a empresa Translago SRL, responsável por fazer a travessia do rio, ainda não há previsão de quando o serviço voltará a funcionar. Enquanto isso, o transporte feito pelas balsas segue parado, aguardando a elevação do nível do rio, que depende do aumento do volume de chuvas nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Goiás, que abastecem a cabeceira do Rio Paraná.

Fábio

Amauri

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: