Placa padrão Mercosul já está vigorando no Paraná

O Departamento de Trânsito do Paraná (Detran) começou nesta segunda-feira (17) a conversão das placas de automóveis adaptada pelo novo modelo adotado no Mercosul, atendendo a Resolução 729 do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

O novo modelo terá itens de segurança que permitirão a rastreabilidade das placas e dos veículos por meio de QR code praticamente impedindo a clonagem. Numa segunda fase haverá ainda, como reforço de segurança, a implantação de um chip.

A medida vai permitir uma maior efetividade no chamado ‘canal verde’, que é um sistema que facilita o controle de pessoas e cargas através de postos com antenas de rádio freqüência, além de melhorar a fiscalização evitando paradas dos caminhões.

A placa terá o mesmo desenho em todos os países do Mercosul com quatro letras e três números em fundo branco. O novo modelo terá código único e conterá todos os dados de confecção da placa, como a identificação do fornecedor e o número de série, data e ano da fabricação da peça. Inclui ainda o modelo do carro.

A obrigatoriedade do padrão de placas no modelo Mercosul será para as seguintes situações: Primeiro emplacamento; Aquisição de veículo; Aquisição de veículo com troca de município; Alteração de Dados com complementação de placa; Mudança de Município; Registro de Outro Estado; Troca de categorias; e outros processos que necessitem a substituição de placas.

A confirmação da validade da resolução do Contran foi dada pela chefe da 33ª Ciretran de Medianeira, Noeli Baú.

Produtividade da soja deve ficar abaixo do esperado no Oeste do Paraná

| Fonte: Enio Manoel | Fotos: Ilustrativa | 17 de Dezembro de 2018

Na região de Guaíra, apesar das chuvas registradas nos meses de setembro, outubro e novembro, ainda não choveu nenhum dia de dezembro e essa estiagem já está prejudicando as lavouras.
Guaíra e alguns municípios mais próximos estão há aproximadamente 18 dias sem chuvas. O longo período de seca, associado a temperaturas elevadas e forte radiação solar, está prejudicando as lavouras de soja da região. Wagner José Rodrigues, presidente do Sindicato Rural Patronal de Terra Roxa, acredita que devido à estiagem, a queda na produtividade vai ser grande. (áudio José abaixo)

Segundo Márcio Bonezzi, presidente da Aprosoja Pr, já há perda de potencial e as produtividades devem ficar abaixo da expectativa inicial dos produtores, principalmente na região Oeste do Estado. De acordo com Bonezzi, em algumas localidades as perdas podem chegar a 50% das lavouras. (áudio Márcio abaixo)

A boa notícia para os produtores é que as previsões de chuva, que não estavam muito animadoras, agora mostram volumes maiores para a região na segunda quinzena de dezembro. Se essas chuvas vierem, as perdas serão menores do que se especula até o momento. Em contrapartida, se as precipitações não se confirmarem, a produtividade será severamente afetada. As temperaturas também merecem atenção, já que tendem a continuar altas, especialmente na região que beira o lago de Itaipu.

Mesmo com as dificuldades enfrentadas em áreas do Paraná e de Mato Grosso do Sul na primeira quinzena de dezembro, a produção brasileira de soja na safra 2018/2019 é estimada em mais de 121 milhões de toneladas.

JOSÉ

MÁRCIO

Imagens e áudios mostram como quadrilha usou bombas e fuzis para invadir penitenciária e soltar presos no PR

Por RPC Curitiba, com informações do Fantástico.

IPVA 2019: no Paraná proprietários terão prazo maior para pagar à vista

 

IPVA 2019 em cota única (à vista). O prazo será entre os dias 24 e 30 de janeiro de 2019, variando de acordo com os números finais da placa.

IPVA 2019: calendário do Paraná

Confira abaixo a tabela com os finais da placa e prazos de pagamento do IPVA 2019:

Calendário IPVA 2019 do Paraná. (Imagem: Divulgação/Agência Estadual de Notícias)

Prazos pagamento do IPVA 2019

O prazo para pagamento da primeira cota também teve um pequeno aumento. Em 2019 será entre os dias 24 a 30 de janeiro. Em 2018 o prazo foi de 22 a 26 de janeiro. Caso opte pelo pagamento à vista do IPVA 2019, o contribuinte terá um desconto de 3% no valor final.

Pagamento Parcelado

Já o contribuinte que preferir dividir o pagamento do IPVA 2019 em três vezes deverá ficar atento aos prazos, de acordo com a tabela acima. O pagamento da primeira cota será entre os dias 24 e 30 de janeiro; o da segunda cota será entre os dias 21 e 27 de fevereiro e a terceira e última deverá ser quitada entre os dias 21 e 27 de março de 2019, de acordo com os números finais das placas.

Guia de Recolhimento do IPVA 2019
Os proprietários de veículos automotores do Paraná terão um prazo maior para pagar o IPVA 2019. (Foto: Divulgação/ANPr)

Os contribuintes receberão em casa uma correspondência, contendo a Guia de Recolhimento para pagamento em cota única (à vista) do IPVA 2019. Quem optar por parcelar o IPVA em três cotas, deve entrar no Portal da Secretaria da Fazenda e imprimir as guias de recolhimento.

O pagamento também poderá ser feito usando somente o número do Renavam nos bancos credenciados: Banco do Brasil, Bancoob, Bradesco, Itaú, Rendimento, Santander e Sicredi.

Desconto Nota Paraná

Em 2019, 127.664 proprietários de veículos utilizaram os créditos do Nota Paraná para quitar ou reduzir o valor do IPVA 2019, ocasionando uma economia de mais de R$ 15,5 milhões aos bolsos dos contribuintes, valor 17,3% maior do que o registrado no ano anterior.

Proprietários de veículos puderam reduzir o valor do IPVA 2019 participando do Nota Paraná. (Foto: Reprodução/Site Nota Paraná)

Os contribuintes que, mesmo transferindo os créditos do Nota Paraná, não conseguiram quitar o IPVA 2019 integralmente, receberão a Guia de Recolhimento com a diferença, que também poderá ser quitada à vista, aproveitando o desconto de 3% ou dividido em três cotas.

DPVAT 2019

O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), vinculado ao Ministério da Fazenda, aprovou nesta quinta-feira (13) a redução média de 63,3% do valor do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos (DPVAT) 2019.

As diminuições DPVAT 2019 do serão relativas com o tipo de veículo do segurado:

Automóveis particulares, táxis e carros de aluguel, veículos ciclomotores e máquinas de terraplanagem, tratores, caminhões, pick-ups, reboques e semirreboques terão o DPVAT 2019 reduzido em 71%;

Os ônibus, micro-ônibus e lotações terão o seguro reduzido em 79%;

As motocicletas e motonetas, que estão envolvidas na maior parte dos acidentes de trânsito, o DPVAT 2019 cairá menos e ficará 56% mais barato.

Estiagem e altas temperaturas preocupam agricultores do Oeste do Paraná

| Fonte: Enio Manoel | Fotos: Ilustrativa | 12 d

Algumas regiões do Paraná estão há dias sem chuvas e o calor predomina. Diversas cidades vem registrando um aumento nas temperaturas, algumas próximas de 37°C. Produtores de soja do Oeste  estão em alerta com a falta de chuvas, em algumas cidades a estiagem já chega a quase 30 dias. Segundo o Clima Tempo, pode haver algumas precipitações ainda esta semana, mas de forma isolada e com baixos volumes, apenas próximo da semana do Natal há previsão de altos acumulados.

Segundo os meteorologistas, veranicos ocorrem nessa época do ano, mas este, está se prolongando e preocupando os agricultores. De acordo com o técnico do Departamento de Economia Rural (DERAL) João Luiz Nogueira, a situação de estiagem prolongada e as altas temperaturas estão atingindo a lavoura numa fase crítica, principalmente em algumas localidades a beira do Lago de Itaipu. O Deral deve publicar um balanço da safra na próxima semana. Apesar da preocupação, João Luiz ainda está otimista com a produção. (áudio abaixo)

A estimativa para a produção brasileira de soja na safra 2018/2019 é de 121,4 milhões de toneladas. O número será revisado em meados de janeiro e deve crescer, caso o clima colabore com as lavouras nas próximas semanas.

Pedágio no Paraná vai subir entre 6,66% a 17,6%

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar) homologou, nesta segunda-feira, 10, a correção das tarifas de pedágio do Anel de Integração, encaminhadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR)

O reajuste médio anual vai variar de 6,66% a 8,40%. O valor é maior do que a inflação do período devido ao fato de, na forma paramétrica, que é utilizada para cálculo do reajuste, serem utilizados além do IPC outros índices que acabaram elevando o percentual.

Entre as cinco concessionárias que apresentaram pedido, a Rodonorte é a que terá o menor percentual, 6,66%. O maior será concedido a Viapar, 17,60%, que resulta, além do reajuste anual de 7.79%, de um acréscimo oriundo do degrau tarifário aprovado em janeiro deste ano e não aplicado.

Diferente dos outros anos, a Agepar, além de homologar as novas tarifas decidiu apresentar também os valores finais que serão aplicadas em todas as praças de pedágio. Os novos preços passam a valer a partir da publicação específica do DER.

O reajuste médio, de acordo com cada concessionária, é o seguinte:

Rodonorte 6,66%
Ecovia – 7,91%
Ecocataratas – 7,66%
Viapar – 17,60%
Caminhos do Paraná – 8,40%
Econorte- Não apresentou pedido de reajuste.

Paraná: Mais de 300 residências são destruídas em incêndio

Um incêndio destruiu a Vila Corbélia, no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC), entre as 23h de sexta-feira (7) e a madrugada deste sábado (8).

Até a publicação desta reportagem, não havia confirmação de mortos no local. Ainda não se sabe como o incêndio começou.

“Foram duas horas de combate à incêndio. Mensurando, primeiramente, a gente acredita que em torno de 10 mil m² e em torno de 300 casas [tenham sido destruídos], mas, mais pela manhã, a gente vai conseguir apurar melhor”, afirmou a capitã do Corpo de Bombeiros Rafaela Diotalevi.

Já a prefeitura estimou que cerca de 100 residências tenham sido queimadas.

Durante o combate ao incêndio, que durou mais de duas horas, um bombeiro e um policial ficaram feridos, de acordo com a tenente Diotalevi.

A princípio, as famílias são acolhidas na Escola Ensino Fundamental Doutor Hamilton Calderari Leal – no local, havia em torno de 80 moradores nesta manhã.

O bairro CIC é o maior da capital paranaense – a área onde o incêndio ocorreu é de ocupação.

Paraná registra uma morte por consumo de álcool a cada seis horas

Final de ano. Época de festas, reunião com os amigos, dias de calor. Uma ótima pedida para uma cerveja ou até mesmo algo mais forte. Mas atenção: se for beber, o faça com moderação. Segundo informações do Ministério da Saúde, a cada 6 horas e 24 minutos uma pessoa morre no Paraná em decorrência do consumo inadequado de álcool. Além disso, a cada hora e meia uma pessoa é internada no Sistema Único de Saúde (SUS) por causa da droga.
Os dados, levantados pelo Bem Paraná com base nas informações disponibilizadas pelos Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) e Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, revelam que entre 2012 e 2016 (último ano com dados disponíveis sobre mortalidade) foram registrados 6.834 óbitos relacionados ao consumo de álcool, no estado, enquanto o total de internações chegou a 28.608. E isso tudo apenas no Paraná.
Com relação às mortes, a grande maioria dos casos (60,2%) é referente à doença alcoólica do fígado. Em seguida aparecem os casos de transtornos mentais e comportamentais devido ao uso da droga (38,7%) e, bem atrás, os casos de envenenamento acidental por exposição ao álcool (0,8%), de auto-intoxicação voluntária (0,2%) e de envenenamento alcoólico cuja intenção não pôde ser determinada (0,1%).
Para efeito de comparação, entre 2012 e 2016 o álcool matou, no Paraná, mais que o dobro do que doenças como o HIV (vírus da imunodeficiência humana), que vitimou 3.076 pessoas no período, e quase 10 vezes mais do que outras drogas como cocaína, canabinóides, solventes voláteis e alucinógenos, responsáveis por 703 óbitos nesses cinco anos.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não existe um nível seguro para o consumo de álcool. Ou seja, se a pessoa bebe, há risco de problemas de saúde. Por isso, para aqueles que não abrem mão de um happy hour, os especialistas alertam que o ideal é o consumo social, em pequenas quantidades, nos finais de semana e sem exageros.
Em geral, o corpo leva cerca de uma hora para degradar 10 milílitros de bebida alcoólica, mas outros fatores, como o peso, sexo, idade, metabolismo, quantidade de alimentos ingeridos com a bebida, o tipo e a dose do drink podem fazer esse tempo de degradação do álcool variar.

Metade dos dependentes que fazem tratamento se recuperam
No início o efeito é agradável. Você quer mais. Aos poucos, o corpo cria resistência e exige doses cada vez maiores para repetir a sensação de bem estar. É assim que se instala a doença do alcoolismo, que afeta 3% da população brasileira.
Segundo o Centro de Informações sobre Saúde e Álcool, entre 50 e 60% dos pacientes com dependência tornam-se abstinentes ou têm melhora substancial após 1 ano de tratamento, que em sua maioria buscam como meta a abstin~encia, com poucas abordagens favorecendo o comportamento de beber controladamente. Isso acontece porque, menos de 10% dos pacientes com dependência alcoólica desenvolvem longos períodos de uso não problemático.

Flagrantes de consumo de drogas crescem mais de 18% no Estado e Capital
Para além dos problemas causados pelo consumo inadequado de álcool, o Paraná (e Curitiba) também encaram uma crescente dos problemas relacionados ao consumo de outras drogas.
Em todo o Paraná, por exemplo, as forças policiais registraram 8.550 ocorrências de uso/consumo de drogas entre janeiro e junho deste ano, com uma média de 48 registros por dia (ou ainda um caso a cada 30 minutos). Na comparação com 2017, houve crescimento de 18,8%. Em Curitiba, o número de flagrantes nesse mesmo período cresceu em proporção parecida, com alta de 18,4%. No 1º semestre deste ano foram 1.888 ocorrências, enquanto no mesmo período do ano passado haviam sido 1.595.

O abuso de álcool no paraná

Mortes relacionadas ao consumo de álcool

2016

1.268

2015

1.333

2014

1.434

2013

1.422

2012

1.377

Internações por transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de álcool

2016

5.157

2015

5.433

2014

5.250

2013

5.952

2012

6.816

Fonte: Ministério da Saúde – Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) e Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM)

Paraná sofre um desastre natural a cada 17 horas

A cada 17 horas a Defesa Civil do Paraná registra um desastre ambiental no Estado, em média. É o que revela levantamento feito pela reportagem com base no Sistema de Defesa Civil (SISDC), o qual revela que desde o ano pasado foram registradas 984 ocorrências no Estado, com 279 municípios atingidos (69,9% do total), 333.885 pessoas afetadas e 37 mortes.

As ocorrências mais comuns são tempestades com vendavais e granizo, mas o que tem chamado a atenção são os casos de tornado. Desde 2007, a Defesa Civil notificou sete casos desse tipo no Paraná, sendo que dois deles (28,6%) foram registrados apenas neste ano. Em 2017 e 2016 não houveram ocorrências de tornado no Paraná, enquanto em 2015 foram quatro e em 2007, uma.

Neste ano, o primeiro relato de tornado ocorreu no dia 6 de janeiro, na região rural de Toledo, com duas pessoas afetadas. Contudo, a força do vento, que durou cerca de cinco minutos, derrubou um barracão onde estavam alojados 500 leitões (dois acabaram morrendo). O outro, e mais grave, aconteceu no final de semana, em Itaperuçu.

Brasil
O Brasil é o 79º país do mundo, entre 168 países, mais impactado por eventos climáticos extremos, como tempestades e ciclones tropicais, em 2017. O país subiu 10 posições em relação ao ranking do ano anterior do chamado Índice Global de Risco Climático. A informação foi divulgada ontem pela organização ambiental alemã Germanwatch durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. O evento está sendo realizado em Katowice, Polônia.

Simepar classificou ocorrência como tornado de categoria F1
O tornado que atingiu Itaperuçu só foi confirmado na noite de segunda-feira, depois de análises e testemunhos feitos pelo Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar). Até então, a hipótese era de “microexplosões”, fortes ondas que atingiam o solo. Ventos de mais de 120 km/h danificaram quase 500 residências, afetaram 1.704 pessoas e provocaram duas mortes, além de um prejuízo preliminar de mais de R4 6 milhões. o Simepar classificou o tornado como F1, com rajadas de ventos de até 120 quilomêtros por hora.
A partir de hoje, agentes da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil, acompanhados de voluntários da organização Engenheiros Sem Fronteiras e da Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi), estarão em Itaperuçu para visitar as residências e imóveis públicos danificados. Eles vão elaborar os projetos de recuperação para embasar o Plano de Trabalho que será encaminhado ao governo federal para conseguir recursos destinados à reconstrução da cidade.
Repasse
A governadora Cida Borghetti autorizou, nesta terça-feira (4), o repasse de R$ 2,1 milhões para Itaperuçu. A verba é destinada a reformas de casas, postos de saúde e escolas afetadas pelo temporal e também para o atendimento de cerca de 600 famílias afetadas. Na reunião com o prefeito Hélio Guimarães, realizada no Palácio Iguaçu, Cida também homologou o decreto que declara situação de emergência ao município, que tem 28 mil habitantes.

Meteorologistas afirmam que tornado atingiu Itaperuçu, no Paraná

O temporal que atingiu Itaperuçu, na região metropolitana de Curitiba na última sexta-feira (30) foi classificado pelo Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná) como tornado F1, com ventos entre 117 e 180 quilômetros por hora.

Inicialmente o fenômeno que atingiu mais de 2.500 pessoas na cidade e região foi descartado como tornado, mas após os meteorologistas receberem imagens do local, realizaram uma visita na cidade na segunda-feira (3) e o fato foi constatado.

O Simepar informou que o radar de Teixeira Soares não detectou sinais típicos de tornado devido à distância de 100 quilômetros da cidade ao equipamento.

O sistema ainda informou que os ventos que atingiram o local passaram de 120 quilômetros por hora.

Gostaria de fazer parte da nossa rede de amigos? Basta Clicar aqui!Sim, Eu Quero!